08/08/2012

NOSSA SENHORA DO CAMINHO

Autor: António José Salgado Rodrigues

 

SR DO CAMINHO CAPELA il

 

No meu tempo de criança,
Quando era  inocentinho,
Eu já punha a minha esp”rança
          Na Senhora do Caminho.           

Aprendi a venerá-la
Ao colo de minha mãe,
Que me ensinou a invoca-la
Nos males que o mundo tem.

Render-lhe a minha homenagem
Oh! quantas  vezes eu ia !
Encantava-me essa imagem,
Linda imagem de Maria.

Sempre que eu a contemplava
Voltada p”ra Mogadouro,
Par”cia nos ofertava
Do coração o tesouro.

Na pequena e pobre ermida,
Mesmo á beira da estrada,
Como que a todos convida
Para a celeste morada.

Ninguém passa por ali
Sem a cabeça inclinar;
E muitas vezes eu vi
Que paravam a rezar.

Agente da minha terra,
E a dos povos ao redor,
E o pastorinho da serra
Consagram-lhe muito amor.

É que nunca esqueceram,
Cada um de pequenino,
Os favores que deveram
À Senhora do Caminho.

Quem padece uma aflição,
Vai a caminho da ermida,
A pedir a proteção
Da Virgem Santa e querida.

E não sei que alguém saísse
Desse recinto sagrado,
Sem que logo se sentisse
Muito e muito aliviado.

Ali a mãe não se esquece,
Ao embalar o filhinho,
De dirigir uma prece
Á senhora do Caminho.

Mãe piedosa!  ela murmura
Junto do berço a rezar –
Ó bondosa, santa e pura,
Vem meu filho encaminhar.

E a criança vai ouvindo
As preces de sua mãe,
Ergue as mãozinhas sorrindo,
E reza á virgem também

Desde então fica gravada
Em seu coração tenrinho,
Aquela imagem sagrada,
Da Senhora do Caminho.

E se algum dia gemeu
Sob o peso da desdita,
A quem é que recorreu?
Á Virgem Santa e bendita.

Bem aja a mãe que ensinar
O filho, de pequenino,
A bem dizer e amar
A Senhora do Caminho.

Autor: António José Salgado Rodrigues

07/08/2012

O IMIGRANTE

Autor: Alberto Paulo


I
Ao partir já com saudade,
A vossa aldeia abraçais,
Beijos de fraternidade
Abraços com ansiedade,
Pode ser p´ra nunca mais.

II
Vai p´ra um país melhor,
Já sem malas de cartão,
Mas há na boca amargor,
Dentro do peito um furor,
Que abala o coração.

III
Esforço, trabalho duro,
Esperam o imigrante,
Só a pensar no futuro
Que sabem ser inseguro
E no país já distante.

IV
A mulher trabalhadora,
Que também cuida dos filhos,
Quantas vezes ela chora,
Suspirando d´ora à hora,
Em desconhecidos trilhos.

V
Lutar por vida melhor,
Não é a única meta,
É ter um filho Doutor,
Viver em paz e amor,
Ser avó, ter uma neta.

VI
Fazer casa, ter um lar,
Voltar ao seu Portugal,
Ouvir o sino tocar,
Pegar o terço e rezar,
Bendita terra natal.

01/08/2012

Nostalgia

 

Nostalgia em olhares pela história

No jardim de Mogadouro

Autor: Marina Craveiro

CAPELA SRA DO CAMINHO MOGADOURO

Admirando a paisagem
Sentada neste banco
Belos jardins nos rodeiam
Estou também neste canto

A nossa mãe do caminho
Está aqui ao pé de mim
Ela me acompanha sempre
Que eu venho para aqui

Logo bem cedo ao chegar
Tenho um encontro com ela
Peço-lhe para me guiar
Vendo-a na sua capela

A porta está fechada
Mas eu vejo-a muito bem
Eu olho-a bem nos olhos
Porque ela é nossa mãe

Eu vou falando com ela
Todos os dias rezando
Que me ilumine o caminho
Por onde eu vou andando

Pelo que tens feito por mim
Obrigada minha mãe
Porque sempre tu me ouves
Eu te agradeço também.

Marina Craveiro

Artigos interessantes

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...