27/02/2015

O Ti Pauzinho.

 
Talvez sejam poucos os que ainda se lembram dele. Na verdade nem eu me recordo muito bem. Partiu quando em tinha de quatro para cinco anos e, o tempo já apagou da memória as imagens das feições e traços. Restaram as marcas dos feitos e da personalidade, destes sim, eu confesso, que me lembro muito bem.
Impressionavam nele a força, a determinação e a vontade de vencer.
 

Ti Pauzinho.

O apelido veio do aspecto magro e fino, que lembrava um galho seco “pauzinho”.
A fome e necessidades deram-lhe a aparência e o nome, mas fizeram também a têmpera do caráter, da vontade férrea e teimosia.
 

O homem tem a medida do seu sonho.

Não é a origem nem a falta de sorte que traçam o destino, são as ideias ou a falta delas. Assim o objetivo que traçamos para nós mesmos e a força que colocamos na determinação de alcançar a meta, são determinantes para o resultado de toda uma existência.
 

O sonho de um homem

Artigo: Luis Pardal
Ribeira das Pombinhas em Castelo Branco Mogadouro

Até hoje quero crer

que ainda se podem ouvir os estouros de fragas a ecoar por todos os montes e vales das pombinhas. Pelo menos, sempre que vou por lá, ainda sinto a terra tremer e escuto o rugir das explosões repetido pelo eco, como se fosse uma trovoada a chegar.
 
Acredito que isso não ocorre só comigo, mas com todos os que por ali passam e param por alguns instantes com os ouvidos alertas, na escuta. Se lá forem, e eu recomendo que vão! Parem um pouco á espera... Fiquem de ouvidos bem abertos! A qualquer momento, vão ouvir e sentir também.
 

Mas, não, não se assustem,

não é trovoada, tão pouco precisam chamar Sta. Barbara ou São Bernardino, estão seguros! O lugar é de calma e de paz!
Quando lá forem, quero que me contem o que se passou por lá. Fica desde já combinado, trato é trato, quem escutar vai ter que contar aqui.
 

De qualquer modo,

vale a experiência de um passeio maravilhoso para se fazer no fim da primavera, ou no começo do verão. Sair a pé, ribeira abaixo, pelos caminhos e ribeiras até as cardanhas, é imperdível. Passem por lá!
 

Nas fragas ainda se podem ver

alguns dos buracos abertos para rebentar as pedras e que não foram utilizados com pólvora e estopim. Impressiona muito ver tudo isto. Estas marcas fazem olhar e refletir como a natureza humana e a força de caráter são capazes de superar todas as adversidades e limitações. Um exemplo de vida, que incentiva.
 

Por mais que a vida

e natureza teimem em nos colocar dificuldades e desafios, se tivermos fé, força de caráter, vontade e determinação de vencer, não haverá dificuldade grande o suficiente para nos deter ou desestruturar.

Mas entendam porque lhes digo isso...

23/02/2015

Demografia

 

Visão de 1864 a 2011

Castelo Branco é uma freguesia portuguesa do concelho de Mogadouro, com 54,57 km² de área e 449 habitantes (2011). Densidade: 8,2 hab/km². Integrada no concelho fica situada a 12 km para sudoeste da sede concelhia, acesso pela EN 221. Situa-se a Norte da Serra de Lagoaça e perto da margem direita do rio Douro.

Evolução do numero de habitantes

Bragança_853

A população em 2011

Bragança_856

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Castelo_Branco_(Mogadouro)

22/02/2015

A retorta

Capela da vila velha por cima da retorta 

No São Bernardino,

o verão começa a aparecer junto com as cerejas. Quando pintam é o sinal de que a primavera está para sair é o verão a dar sinais. Os trigais ficam pálidos e o verde vivo, vai dando lugar ao dourado, nos tons das espigas a amadurecer e da erva a secar nos montes. Os campos enchem-se, com os sons das cotovias, e dos “chincha-la-raiz” enamorados, ocupados em se acasalar, ou em fazer os ninho. O cuco chegou cheio de vontade, este ano, e anda pelos ares, atendo á vida alheia, para ver se arruma casa e lugar para por os ovos e deixar os filhos para criar com as mães enganadas.

Por todo o lado,

uma sinfonia de sons e de aromas , cigarras, cucos, gaios, rolas, melros, pardais, bandos de pintassilgos. Voam e cantam felizes por cima de quem passa e deixam os campos repletos de uma trilha sonora encantadora e perfeita: uma "sinfonia de pássaros". As perdizes e os perdigotos espalham-se pelos caminhos, e confundem quem passa como se fossem pedras a correr em fila.

As aulas na escola,

depois da festa, começam a ficar pesadas e as horas intermináveis. Mas apesar disso e para compensar, os dias já são mais longos, e sobra mais tempo para os jogos na praça. Ao fim do dia ouve-se os gritos dos rapazes a correr á volta das casas a brincar ao tiro-liro ou a voltar de jogar á bola nos lameiros do chafariz, ou das eiras.

 

Naquela época

eu guardava vacas. Sim vacas. Eram três, a Mimosa, a Castanheira e a Picolina. Outro dia falo da origem dos nomes, isto porque é muito interessante saber desta origem, tem seus motivos, e podem crer vale bem a pena escrever uma crónica para lhes contar.

O ferrador

umas no cravo e outras na ferradura. Considerada por muitas pessoas um amuleto ligado à sorte e felicidade, acredita-se que a ferradura protege contra mau-olhado e desgraças. Ela está ligada a uma crença que vem desde a Grécia Antiga: os gregos tinham o ferro como um elemento que afastava o mal e acreditavam que a Lua Crescente afugentava a infertilidade e a má sorte.

Ti Zé ferrador era um homem de hábitos certos e seguros. A cada domingo depois da lua nova chegava  na aldeia cedo, antes de aurora, a cavalo em um macho amarelo, tão velho e desbotado pelo sol, que seu aspecto descolorido e pálido contrastava com os arreios, a albarda e as alforjas vistosas, sempre limpos e impecáveis como o dono que vestia  uma jaqueta riscada e camisa branca.  Uma figura de respeito este Ti Zé.

13/02/2015

Jarra de vinho

Castelo Branco, Mogadouro: jarra de vinho

Não tenho a medida certa nem o valor da sede. Com quantas jarras se seca o pipo…

Era noite de entrudo, e os cepos ao lume a apagar na cinza, encostados ao murilho de cantaria, com remelas das brasas cansadas, reluziam sem força, amedrontados por estarem a chegar ao fim.

Na tremula e pálida luz da candeia, o Alcides, arregalava os olhos na escuridão, como que para ver melhor os pensamentos.

De tempos em tempos, em cadencia incerta, levava na boca o caneco de barro, e engolia em seco o vinho com apressada sofreguidão a tentar afogar as magoas.

Casaram a Maria, com o Joaquim da fonte! Arre conho…

12/02/2015

Vila Velha

 

Ha muito tempo por ordem Del Rei, Dom Dinis, três frades da ordem Beneditina, chegaram a estes lados para pastorear o rebanho, das almas dos cristãos, que ocupavam as terras reconquistada dos sarracenos.

Artigos interessantes

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...