22/02/2015

O ferrador

umas no cravo e outras na ferradura. Considerada por muitas pessoas um amuleto ligado à sorte e felicidade, acredita-se que a ferradura protege contra mau-olhado e desgraças. Ela está ligada a uma crença que vem desde a Grécia Antiga: os gregos tinham o ferro como um elemento que afastava o mal e acreditavam que a Lua Crescente afugentava a infertilidade e a má sorte.

Ti Zé ferrador era um homem de hábitos certos e seguros. A cada domingo depois da lua nova chegava  na aldeia cedo, antes de aurora, a cavalo em um macho amarelo, tão velho e desbotado pelo sol, que seu aspecto descolorido e pálido contrastava com os arreios, a albarda e as alforjas vistosas, sempre limpos e impecáveis como o dono que vestia  uma jaqueta riscada e camisa branca.  Uma figura de respeito este Ti Zé.

Por ser domingo enquanto uns iam na missa, outros com maior devoção, compunham afazeres mais necessários do que salvar a alma. Pelo menos no que se refere ao pão que sustenta o corpo, ferrar os machos e as mulas, burras e vacas, era tarefa de primeira necessidade e falava mais alto que a devoção.

Atividade dominical que a cada mês enraivecia o pároco. Os poucos homens que frequentavam a missa, faltavam nesses dias e o abade tinha que dividir os fieis com a função do ferrador. Dizem as más línguas que já ameaçara o Ti Zé com a excomunhão. Não fosse este ateu, e estaria com a porta das chaves de São Pedro cerrada para sempre. Mês a mês e lá estava ele  a trabalhar sem medo de ir para o inferno. Com umas no cravo outras na ferradura calçava as bestas com as melhores ferraduras do concelho num dia de trabalho de sol a sol.

Montou a tenda e o tronco de improviso. Jogados em aparente desordem,  estavam espalhados pelo chão martelos, marras e cravos, e mais para canto uma fogueira ladeada por um murilho das pedras da parede de alvenaria da cortinha. Bigorna ao lado com uma bacia de agua para temperar o aço.  Pares de ferraduras em tamanhos variados reluziam no chão organizados do maior para o menor.

As bestas ficavam  inquietas pelo barulho do matraquear do martelo a bater nos cascos e nas ferraduras. Uma apos outra as ferraduras eram forjadas na fogueira e acertadas ao tamanho do casco de cada animal.

Trabalho lento de artesão com jeito e sabedoria para lidar com os animais e com os donos que as vezes eram mais reles que as bestas.  A todos transmitia calma e serenidade. Sempre com uma palavra de animo e incentivo orientava sobre a saúde dos animais as mudanças de estação e as novidades do concelho.
 
Trazia recados de uns, levava noticias pra outros, arrematava negócios ao afiançar a idade e a índole dos animais, enfim juiz de acordos e alianças.
 
E por muitos anos assim foi.
 

Artigos interessantes

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...