25/02/2012

O saber e o sabor do pão albicastrense

Autor: Isabel Cristina Pereira

Uma tradição que passou de mãe para filha durante tantas gerações e que agora perde a cada dia o saber e o sabor.

De manhazinha levantou-se a Maria, está frio mas o frio já é habitual nesta altura do ano, hoje é dia de cozer, e não há frio que a faça ficar quieta!

“O pão moderno não satisfaz a alma”, então a Maria pelo menos uma vez por mês mete mãos a obra e recua no tempo para fazer o pãozinho de outrora, do qual todos nos temos saudades, e eu se quero tirar as fotos que vos vou mostrar também tenho que madrugar, tenho que apanhar a Maria ainda com as mãos na massa ou estas fotos não teriam piada nenhuma.

É num pequeno forno de lenha, um dos poucos ainda existentes na nossa aldeia que a minha sogra Maria Pomares coze o seu pão. Espero que gostem e matem saudades! Eu por cá sou uma felizarda pois para além de ver como se faz, ainda tenho o privilégio de comer deste “pão caseiro” acabadinho de fazer!

Por :Isabel Cristina Pereira

(passe o mouse em cima das fotos para ler a legenda das imagens)

Acender o forno é tambem uma sabedoria a lenha tem que ser distribuida de forma igual e o forno não pode ser superaquecido ou o pão vai queimar antes de cozer.

na masseira começa a alquimia dos elementos: farinha, sal, fermento e agua se misturam com a sabedoria das mãos para dar liga e textura ao pao albicastrense

a massa fica em repouso e leveda lentamente coberta por lençois e mantas para que o frio que faz lá fora não a impeça de crescer e quadriplicar de tamanho

depois que a massa levedou começa a separação dos paes um a um são amassados e dada a forma final para voltarem a levedar individualmente antes de ir ao forno

depois que a massa levedou é hora de cortar e dar forma aos pães. Em seguida já dividida a massa em paes cresce novamente para levedar antes de ir ao forno.

hora de ver se forno está pronto para assar o pão. Um papel é jogado dentro se ele se incendiar é sinal que a temperatura está no ponto certo, caso não acenda hora de colocar mais lenha apra atingir o ponto. As pedras do fundo do forno tambem dão o sinal de que tudo está ok pela cor e pelo aspecto que assumem depois de aquecidas pela lenha   hora de colocar a massa para cozer no forno.

a massa começa a ficar dourada a medida que os pães vão cozendo no calor certo do forno, são pães de no minimo 1,7kg, é preciso cuidado em dobro nesta hora  Na frente do forno as bolas menores e que portanto assam mais rápido e precisam ser tiradas antes dos paes maiores

hora de saborear e celebrar com a familia mais uma fornada de pão quentinho. É so correr para o abraço

Outros artigos no blog sobre o pão albicastrense:

(clique nos títulos para seguir link)

REVISITANDO CASTELO BRANCO: Nem só do pão, mas dos ... Ainda a fornada estava quente, a sair do forno, e quase metade dela já estava destinada para devolver os pães que tínhamos pegado emprestado de outras padeiras. Antes mesmos de sair do forno, os pães eram entregues ...

REVISITANDO CASTELO BRANCO: O moinho e o moleiro ... a existência de searas que forneciam o trigo e centeio para fabricar o bom e saboroso pão de Castelo Branco, cozido, em tempos idos, em fornos comunitários, por mãos hábeis de “famosas padeiras albicastrenses”.

REVISITANDO CASTELO BRANCO: Alheiras as melhores do mundo  A boa qualidade do pão garante a combinação homogênea dos ingredientes e o resultado diferenciado de sabores consistência e aparência externa das alheiras. O pão caseiro de farinha de trigo ou centeio é o detalhe e o ...

REVISITANDO CASTELO BRANCO: Merendas da Segada. Então ... O pão era confeccionado pela minha avó e pela minha mãe. Pão saboroso e largamente conhecido e afamado. Há que fazer jus a tal confecção, não fosse a minha avó a tão afamada padeira do chamado e conhecido “pão ...

REVISITANDO CASTELO BRANCO: Serões na aldeia O pão que ela mesmo cozeu, as berças que já tantos anos não comia, os chichos da surça assados, milhos para nos lembrar que o Natal que se aproxima e os diospiros, única fruta neste tempo na nossa aldeia. Para mim foi ...

REVISITANDO CASTELO BRANCO: Ao toque dos sinos Uma grelha aquece no braseiro da lareira enquanto espera as fatias de pão para torrar. Aos poucos os donos da casa vão chegando e, um a um sentam á roda do borralho. Filho vai lavar essa cara diz a mãe para o mais ...

Boa leitura e um forte abraço albicastrense

Luís Pardal

Artigos interessantes

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...